Mogwai, Finalmente Volume

Mogwai, Finalmente Volume

2015-07-11, Passeio Marítimo de Algés
Nero
9
  • 9
  • 9
  • 10

Um concerto com a banda no seu melhor. E a sua música é sempre tão bonita, quando é assim…

Os Cave Story deram um concertão no Coreto, daqueles em que não é possível arredar pé. Por isso, quando chegámos ao palco Heineken os Mogwai já iam a meio de “I’m Jim Morrison, I’m Dead”. O que se sentiu imediatamente foi que, finalmente, havia um concerto com o volume bem alto. “Aliveluia”.

Claro que uma fila de Marshall (JCM 900?), Orange CR120 e silverfaces da Fender, ajudam a que haja estalo. Mas, a banda também esteve no seu melhor. Ao contrário, por exemplo, do que sentimos o ano passado no Primavera. Os Mogwai estiveram, aqui, bem sólidos, a soar como uma poderosa unidade e a conseguir um tremendo corpo harmónico. E quando fizeram ecoar a sludgesca “Rano Pano”… Estrondo! Esse tema, logo seguido da irmã de álbum, “Mexican Grand Prix”, foi o pico de um concerto que seguiu sempre enleante, com os teclados de Barry Burns a expandir as músicas, em vez de as afundar.

Um concerto bonito, como só o shoegaze ou o post-rock conseguem ser, quando executados na sua plenitude, que apenas deixou um amargo de boca. Sentir “I’m Jim Morrison, I’m Dead” a chegar e, depois, uma despedida com “Batcat”, ambas do álbum favorito da banda, aqui deste lado, deixou o vazio de não ter ouvido a quase pop “Friend Of The Night”, com a deslumbrante condução a piano e aquele crescendo épico.

SETLIST

  • (Não vimos de início)
  • I’m Jim Morrison, I’m Dead
    Rano Pano
    Mexican Grand Prix
    Hunted by a Freak
    Mogwai Fear Satan
    Teenage Exorcists
    Remurdered
    Batcat