The Secret, Síndrome de Estocolmo

The Secret, Síndrome de Estocolmo

2015-02-07, RCA Club, Lisboa
Nero
8
  • 8
  • 8
  • 9
  • 6

Caos, violência e devastação emocional. O Burning Light esteve refém dos italianos.

O tenebroso “Solve Et Coagula” continua a pautar toda a atmosfera dos The Secret. Por isso o concerto possuiu uma maior aspereza no som e menos o lamaçal “Entombedesco” de guitarras presente em “Agnus Dei”. A fusão estética dos italianos sofreu um pouco com alguma pouca definição sonora, principalmente na primeira metade do set, com o bombo a enrolar tudo ao seu redor, mas paradoxalmente foi aumentada a sensação de caos e fúria. E assim, todas as expectativas geradas por uma banda que, desde o momento em que assinou com a Southern Lord, se tornou objecto de culto foram cumpridas triunfalmente.

Uma liturgia de raiva, comandada pela voz de Marco Coslovich e com o baterista Tommaso Corte a soar mais “na frente” do concerto, em relação ao som de bateria nos discos. A potência e brutalidade dos italianos congregou mais gente, simultaneamente, diante do palco e foi capaz de agitar essa mesma hoste. Excelente dinâmica de banda e uma enorme capacidade para criar tensões emocionais e a consequente explosão. O set de cerca de 40 minutos terá pecado por escassa, mas ajudou a criar uma sensação de angústia e a deixar um Síndrome de Estocolmo, depois do arrasamento mental.

“May God Damn Us All”!