CMO da Gibson e a Verdade Sobre o Vídeo Play Authentic

CMO da Gibson e a Verdade Sobre o Vídeo Play Authentic

Nero

O Director de Marketing da Gibson, Cesar Gueikian, admite a responsabilidade pelo infame vídeo de Mark Agnesi e confessa ter sido um dos seus maiores erros.

A Gibson foi capaz de ressurgir em grande estilo no ano passado, sob a liderança do seu novo CEO, James Curleigh, e o CMO Cesar Gueikian. No entanto, houve episódios negativos…

A marca colocou-se de baixo de fogo, com infame vídeo “Play Authentic” e as suas ameaças e o anúncio do processo judicial movido contra a Dean Guitars. A resposta por parte da Armadillo, proprietária da Dean Guitars, foi pronta e considerou o processo que lhe foi movido como ridículo. Por tudo isto, previam-se tempos agitados no universo da guitarra eléctrica, tão agitados como no ano de 2018, quando a Gibson caiu na bancarrota. E se fizeram um “search” pelo termo Gibson no nosso website vão perceber que assim foi.

Recentemente o director de marketing, Cesar Gueikian assumiu a responsabilidade pela situação, ainda que afirme que a sua intenção original fosse nobre. Em entrevista à Guitar.com, disse Gueikian: «Cometi o erro de pedir, pessoalmente, ao Mark que fizesse o vídeo e se me perguntassem se havia algo que gostaria de ter feito de forma diferente, seria isso. Ao fim e ao cabo, o nosso objectivo é proteger os nossos fãs e aqueles que esperam a qualidade de uma Gibson quando compram uma Gibson. Isso é uma coisa boa. Mas usar as redes sociais para tentar passar a mensagem foi, provavelmente, o meu maior erro e, em retrospectiva, creio que não o devia ter feito. O que estava a fazer, não o encarei como uma ameaça ou algo assim».

Pouco após a controvérsia, a Gibson anunciou a iniciativa Authorized Partnership Program, o que permite que construtores boutique trabalhem directamente com a marca em instrumentos que espelhem formatos icónicos com a Flying V e Explorer. Até agora a Gibson criou parceria com a Jimmy Wallace Guitars, Banker Custom Guitars e Echopark Guitars. Curiosamente, nos tribunais europeus, a Gibson perdeu as patentes sobre o formato Flying V e Firebird.

Mas, ainda em relação a esta iniciativa, Gueikian referiu ser «uma excelente forma de homenagear o engenho que nos foi deixado por Orville [fundador da marca]. Ele começou sozinho em Kalamazoo e se repararem em tipos como o Matthew Hughes da Banker, é um tipo sozinho numa oficina e está a construir instrumentos espantosos. É uma forma de homenagear o nosso passado e história com o Orville».

Podes descobrir um pouco mais da história de Orville Gibson AQUI. Em relação a celebrar a sua própria história, a Gibson aproveitou a NAMM 2020 para anunciar vários modelos de assinatura na colecção Slash ou para apresentar a histórica edição limitada em homenagem a Tony Iommi.