GRAMMY Awards 2021: A Ultrajante Homenagem a Eddie Van Halen

GRAMMY Awards 2021: A Ultrajante Homenagem a Eddie Van Halen

Nero
Kevin Baldes

O rock, o hard rock e o heavy metal foram sempre algo ostracizados pela Recording Academy, mas a ridícula homenagem a Eddie Van Halen na cerimónia dos GRAMMY Awards 2021 foi uma absoluta desconsideração à história do músico e da sua gigante importância na indústria discográfica.

Anos após ano, os GRAMMY Awards vão-se tornando alvo de críticas de todos os quadrantes da indústria musical. No que diz respeito ao rock e ao metal, a cerimónia da Recording Academy já passou a ser vista quase como mera proforma. Na verdade, desde que foi criada a categoria Best Hard Rock/Metal Performance Vocal or Instrumental, na 31ª edição, em 1989, que as críticas da cena heavy se sucedem. Logo nesse ano, os Jethro Tull venceram o prémio, com o álbum “Crest Of A Knave” (que nem sequer figura entre os melhores da banda) a ultrapassar “…And Justice For All”, dos Metallica. O mundo musical ficou perplexo, com vários jornalistas a sugerirem que os Jethro Rull nem sequer eram uma banda que pudesse ser sugerida como Hard Rock ou Metal…

Daí, a Recording Academy decidiu, logo no ano seguinte, separar as categorias. A categoria Best Metal Performance foi imediatamente alvo de controvérsia, quando Chris Cornell vociferou contra a nomeação dos Dokken. De uma forma ou de outra, ambas as categorias estabilizaram. Os Metallica venceram a distinção no metal por três vezes seguidas, depois vieram os Nine Inch Nails, Ozzy Osbourne, Rage Against The Machine. No hard rock foram distinguidos os Living Colour, Van Halen, Red Hot Chilli Peppers, entre outros. Mas diante escolhas que, em anos de enorme sucesso deixaram de fora os Mötley Crüe, os Guns N’ Roses, os Nirvana ou os AC/DC, pasme-se, também esta categoria foi alvo de muitas críticas.

O rock, no sentido mais lato, acabou por ir saindo dos lugares cimeiros das tabelas comerciais e as categorias foram mesmo descontinuadas entre 2012 e 2013, ressurgindo juntas, como Best Hard Rock/Metal Performance e sendo logo separadas em 2014, como Best Metal Performance e Best Rock Performance. Se os vencedores no metal não têm merecido grande discussão, o mesmo não se pode dizer da categoria Best Rock, com os Imagine Dragons ou Leonard Cohen a surgirem como vencedores algo “deslocados”. Além disso, sempre esteve latente uma certa revolta por as categorias terem surgido tão tardiamente, após anos e anos em que este tipo de bandas e música vendeu milhões de álbuns em todo o mundo.

Mas na cerimónia do passado dia 14 de Março de 2021, o rock ou o hard rock foi absolutamente desconsiderado. Mais do que a discussão sobre os méritos dos nomeados, a sua adequação estética à nomeação ou algo desse género, foi ultrajante a forma como a Recording Academy decidiu prestar homenagem a um dos nomes mais importantes na história da música moderna. Falecido no final de 2020, Eddie Van Halen teve direito a uma ridícula evocação de pouco mais de 20 segundos. Uma réplica da Frankenstrat sozinha em palco, com um vídeo de Eddie em fundo, numa versão ao vivo de “Eruption”.

Esta foi a forma encontrada pela Academia depois de Wolfgang Van Halen ter recusado o convite para participar na cerimónia. «Os Grammys pediram-me para tocar a “Eruption” no segmento ‘In Memoriam’ e eu recusei. Não acho que ninguém pudesse honrar tudo o que o meu pai fez pela música, excepto ele próprio. Pelo que me foi dado a entender, haveria um momento ‘In Memoriam’ em seriam tocados que trechos de músicas para artistas lendários que tinham falecido durante o ano passado. Não sabia que eles iam mostrar o meu pai durante apenas 15 segundos no meio de quatro apresentações completas para outros artistas que tínhamos perdido. No entanto, o que mais me doeu foi ele nem sequer ter sido citado quando falaram dos artistas que perdemos no início do espectáculo. Sei que o rock não é o género mais popular no momento, (e a Academia parece um pouco fora de alcance), mas acho que é impossível ignorar o legado que o meu pai deixou no instrumento, no mundo do rock e na música em geral. Nunca haverá outro inovador como ele».

Há muitas vozes (algumas bastante relevantes) a criticar o memorial. Porque é, de facto, uma absoluta desconsideração pelo génio de Eddie. Não vale a pena falar na música, uns gostam e outros não, mesmo que os Van Halen tenho sido o receptáculo do Grammy Award para Best Hard Rock Performance, em 1992, com o álbum “For Unlawful Carnal Knowledge”, e tenham sido nomeados em 1996, com “Seventh seal”, do álbum “Balance”. Além de Eddie ter criado o efervescente solo de “Beat It”, o estrondoso single de fusão de Michael Jackson que foi nomeado para Canção do Ano, em 1984, e perdeu o prémio para os Police. Ou seja, a Academia nem sequer teve em conta os seus critérios de honra em grande conta.

Mas indo além dos Van Halen e tratando-se de uma cerimónia da “Recording” Academy…

Edward Van Halen reinventou a forma de tocar guitarra eléctrica. Ao seu nível, focando-nos na evolução e pioneirismo do desempenho técnico no instrumento, apenas Hendrix. Talvez Chuck Berry, pela importância que teve na fundação da guitarra eléctrica na indústria musical. E se considerar-mos o impacto da linguagem, também não muitos outros. Diríamos Page, Iommi, Gilmour, May e Clapton, pela universalidade que deram ao instrumento e ao rock, hard rock ou mesmo à música pop.

Mas EVH não só revolucionou a forma de tocar guitarra, como revolucionou a própria guitarra. Numa busca incessante por um som único, o guitarrista quebrou os paradigmas do instrumento. Com os picos de desenvolvimento da Stratocaster e da Les Paul atingidos na década de 60, o universo da guitarra eléctrica estava algo estagnado. Então, no final da década de 70 e depois de progressivas experiências e modificações em modelos tipo Stratocaster, Eddie criou a sua própria guitarra misturando conceitos Fender e Gibson. Criou uma “Super Strat”. Criou a “Frankenstrat”. Na década de 80, salvo raras excepções, não havia guitarrista no hard rock e no heavy metal que não procurasse clonar esse som de Strat em esteróides, amplificadas por Plexis. O som de Eddie Van Halen. Aquilo a que se chamou “Brown Sound”.

Eddie revolucionou a face do instrumento, quebrando um marasmo instalado desde os anos 60/70 e criando novos conceitos tecnológicos na guitarra eléctrica e também na amplificação. Também por isso, mais tarde, acabou por criar a sua própria marca, que hoje possui, constrói e continua a desenvolver de pleno direito réplicas da histórica “Frankenstrat”, das modernas Wolfgang ou os explosivos amps 5150.

Parte do grupo Fender, a EVH (Eddie Van Halen) Gear é a marca fundada pelo próprio guitarrista. A EVH surgiu na ressaca das colaborações de Eddie com a Peavey. Na segunda metade dos anos 90, a Peavey e Van Halen tinham no mercado os poderosos amps 5150 e as guitarras Wolfgang. Mas o músico ambicionava mais e em 2009 fundou a sua própria marca, basta fazerem um search pelo nosso site a “EVH” e as referências serão imensas, afinal a EVH nasceu quase na mesma altura que a AS que, vale a pena recordar, trata-se da única publicação portuguesa a ter realmente entrevistado Edward Van Halen. O que, sendo motivo de enorme orgulho, não deixa de ser uma constatação bastante triste.

É certo que, ter alguns músicos em palco em modo jam, também não fariam justiça ao seu legado. E, sinceramente, dispensa-se esse tipo de vaidade. Afinal, até Wolfie recusou esse papel. Mas como diz o seu filho, merecia muito, mas muito mais reconhecimento do que uns míseros 20 segundos que terminaram, ainda por cima, com uma nota “ao lado”…

FENDER